Alvaro Dias: Caminhoneiros são vítimas da corrupção e do balcão de negócios

0
202

Em pronunciamento no Plenário, o senador Alvaro Dias prestou sua integral solidariedade aos caminhoneiros que realizaram nesta terça-feira (1º) um protesto nacional contra o aumento dos combustíveis. O senador lamentou as ordens judiciais emitidas para impedir os caminhoneiros de realizarem as suas manifestações pacíficas nas estradas brasileiras.

“Os caminhoneiros que foram para as estradas protestar foram recebidos com ordem judicial, que os impediu de realizarem a manifestação contra esse estapafúrdio aumento de impostos, que teve como consequência a elevação dos preços dos combustíveis, inviabilizando a atividade desses caminhoneiros, que já vivem terríveis dificuldades na luta pela sobrevivência. Alguns dos líderes desse movimento foram considerados réus. Lamentavelmente temos que afirmar que réu é o governo, pois é ele que incita o movimento de protesto ao adotar providência que tromba com a realidade que vivemos no país, um país em crise de profundidade, um país com o desemprego crescente, com as atividades autônomas, como as de caminhoneiro, sofrendo consequências que as inviabilizam”, disse.

No seu discurso, Alvaro Dias disse que hoje há uma angústia percorrendo as famílias dos caminhoneiros, que sentem enorme dificuldade para pagar as suas contas e dívidas, que se acumulam, já que o que ganham não é mais suficiente para atender a seus compromissos. “É esta a revolta que os motiva ao protesto. É evidente que a justiça cumpre uma determinação legal, já que o Congresso Nacional aprovou proposta da ex-presidente Dilma, que limita essas manifestações nas rodovias brasileiras. Lamentável, porque trata-se de limitar o direito à liberdade de manifestação”, afirmou.

O senador destacou que o País vive atualmente uma crise sem precedentes. Os números da dívida pública, por exemplo, chegam hoje a 78% do Produto Interno Bruto e obrigam o governo a aplicar 52% do que arrecada no pagamento de juros, serviços e encargos do endividamento. “Essa dívida cresceu em razão da incompetência administrativa e sobretudo da corrupção, uma vez que assaltaram os cofres públicos do Brasil, levando à degenerescência das contas públicas, das finanças públicas, fazendo com que o Governo comemore neste ano recorde de cerca de 159 bilhões de déficit nas contas públicas”, pontuou Alvaro Dias.

Para o líder do Podemos, a responsabilidade pela crise brasileira não é apenas o atual presidente. Segundo o senador, Michel Temer também é responsável pela recessão que vivemos, principalmente porque participou do sistema de governança corrupta que se instalou no Brasil nos últimos anos. Mas há outros artífices do balcão de negócios que empurrou o País a mergulhar em um oceano de dificuldades sem fim.

“O ex-presidente Lula, a ex-presidente Dilma são artífices essenciais desse sistema promíscuo. E é evidente que o presidente Temer também participou dele. Não há como excluí-lo de responsabilidade. É a continuidade desse modelo incapaz de resolver problemas do País porque optou por um projeto de poder de longo prazo à custa de muita corrupção que hoje atormenta a sociedade brasileira. Nós não poderíamos, de forma alguma, responsabilizar o atual presidente sem responsabilizar os outros. É necessário que todos assumam a responsabilidade. Afinal, não é mais possível usar de certos artifícios de retórica ou da manipulação de números, da mistificação de fatos para passar ideia contrária à realidade do momento que nós estamos vivendo”, concluiu o senador Alvaro Dias.