Em pronunciamento no Plenário na tarde desta segunda-feira (10/02), o senador Alvaro Dias voltou a defender a aprovação dos projetos que apresentou e que preveem a redução no número de deputados e de senadores. O senador se disse chocado com a declaração de um cidadão, em um site, que disse que o seu mandato deveria ser cassado pela proposta de reduzir a quantidade de parlamentares.

“Surpreendentemente vi, nesse final de semana, a afirmação de alguém que disse que o meu mandato deveria ser cassado por propor essa providência, alegando tratar-se de uma providência impopular e ilógica. Esse cidadão afirmar que eu deveria ter o mandato cassado por propor a redução do número de Parlamentares e falar em proposta impopular… Impopular onde? Na casa dele? Pode ser impopular aqui inclusive, mas certamente quem paga imposto, muitas vezes sem poder pagar, exige essa redução”, afirmou o senador.

Alvaro Dias lembrou que essa medida de redução de parlamentares foi tomada recentemente na Itália, sendo uma ação estudada ainda em outros países, o que reforçaria sua tese. O senador acrescentou que também é favorável à diminuição do número de partidos políticos representados no Congresso.

“Recentemente nós tivemos a redução do número de Parlamentares na Itália em um terço, providências com o mesmo objetivo na França e, mais recentemente ainda, no Chile. Mas nós não fomos motivados por essas iniciativas desses países – certamente, elas robustecem a tese de que é necessário reduzir o tamanho do Poder Legislativo no nosso País –, nós o fizemos antes, exatamente para repercutir uma aspiração da Nação. Também não queremos a extinção dos partidos, mas queremos normatização, para que sejam representados ou tenham representação no Parlamento os partidos que obtiverem um percentual de votos exigido pela legislação, compatível com as aspirações da sociedade”, explicou.

No seu pronunciamento, o senador Alvaro Dias destacou que a redução de parlamentares, conforme consta nas suas proposições que tramitam no Congresso, levariam a uma economia brutal, não apenas pela eliminação de mandatos, mas por conta da eliminação de gabinetes, de recursos destinados à água, luz, papel, telefone, carros, auxílio moradia, verba indenizatória e tratamento de saúde. Alvaro Dias lembrou que o Congresso foi obrigado a aprovar uma dura reforma da Previdência, porque houve a falência do sistema. E disse ainda que essa reforma impôs sacrifícios ao povo, pois os trabalhadores terão que trabalhar mais e por mais tempo, se aposentar mais tarde e receber uma aposentadoria inferior.

“O Legislativo é uma instituição essencial ao Estado de direito, mas ele é mais importante valorizado, respeitado, qualificado, com credibilidade, e não com a sua imagem no chão. Nós estamos cansados de ler que o Legislativo brasileiro é um dos mais caros do mundo. Há aqueles que dizem que somos o segundo mais caro do mundo. Então, é evidente que isso provoca uma certa revolta popular, já que, além do custo elevado, nós somos constantemente acusados de legislar mal. E há, na contramão da expectativa da população, no Congresso Nacional, uma ação que impede os avanços no combate à corrupção no País. Isso, certamente, depõe contra o conceito do Poder Legislativo no Brasil”, concluiu o senador Alvaro Dias.

Fonte: Agência Senado

1 COMENTÁRIO

  1. tem que reduzir cortar 50% das vagas de todo o legislativo Brasileiro de vereador a senador são 513 deputados federais 81 senadores milhares de vereadores e deputados Estaduas ametade tá de bom tamanho, ate o cargo de vice prefeito deve ser extinto são mais de cinco mil vices prefeitos para não fazer nada o vice passa a ser o presidente da camará se acontecer um imprevisto com o titular o presidente da camara assume e convoca eleições

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, deixe seu nome aqui